O COLUNISTA DIZ...

Manoel Dias

Ex-Ministro do Trabalho e Emprego, atual Presidente da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini e Secretário-Geral Nacional do PDT.

A face arcaica do governo Temer

Elevado à presidência da República, por meio das mais baixas conspirações das elites brasileiras, o governo de Michel Temer revela a sua face mais primitiva, sua cruzada de desmonte do Estado nacional, associado às medidas que beiram a barbárie civilizatória e que assombram o mundo.

Sua mais nova investida reacionária é a Portaria 1.129/2017 que altera o conceito sobre o trabalho escravo. Remonta-nos à quase abolição da Lei Áurea de 1888 que, absurdamente, assistimos o atual governo revogá-la, com o conceito ultrapassado de que o trabalhador é mero objeto de exploração, desprovido de direitos e garantias.

Entende o governo Temer que somente poderá ser considerada condição análoga a escravidão quando houver submissão do trabalhador sob ameaça de castigo/punição, proibição de transporte com o fim de retê-lo no local de trabalho em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto levando ao isolamento geográfico, existência de vigilância armada para manutenção do trabalhador no local, e retenção de documentos pessoais, numa referência medíocre à situação de privação de liberdade, demonstrando sua completa desinformação ou má-fé sobre os conceitos contemporâneos de escravidão.

Além disso, vincular a divulgação da dita “lista suja” – que classifica as empresas que se utilizam do trabalho escravo -, como uma prerrogativa exclusiva do ministro do Trabalho é uma das mais infames retrogradações; ademais, um convite imoral às mais indignas barganhas de corrupção.

Lamentavelmente, o Brasil, que era uma das referências mundiais no combate à escravidão segundo a Organização Mundial do Trabalho – OIT -, deixa os trabalhadores brasileiros a mercê das mais anacrônicas formas de escravidão, em pleno século XXI.

Quando servi o Brasil como ministro do Trabalho e Emprego, durante o governo legítimo da presidente Dilma Rousseff, combati o trabalho escravo em conjunto com o Ministério Público do Trabalho, a Polícia Federal e a Policia Rodoviária Federal.

Dados do ministério, divulgados em 2015, revelam que nos últimos 20 anos, quase 50 mil trabalhadores foram resgatados do trabalho escravo. Isso se deve a uma das legislações mais avançadas do mundo, que hoje é atacada pelo Governo Temer.

Em 2013, resgatamos cerca de 2.700 trabalhadores; em 2014, mais 1600; e em 2015, 1.100; sem contar centenas de estabelecimentos fiscalizados.

Mais uma vez Temer tenciona a luta de classes sendo o presidente que mais retirou direitos da classe trabalhadora – conquistados ao longo da história brasileira, iniciados na década de 30, com o trabalhista Getúlio Vargas.

Vivemos em terra arrasada, através das medidas adotadas por este atual governo e suas irresponsabilidades, que coloca nosso país na contramão dos avanços sociais e na elevação da classe trabalhadora.

É urgente, para o bem do Brasil, que esse governo não continue a praticar esses atos contra o país e o seu povo.

Recentes de Manoel Dias

COMENTÁRIOS