07 OCT 16

PELO DIREITO DE SER PENSANTE!

“O ruim no Brasil e efetivo fator do atraso, é o modo de ordenação da sociedade, estruturada contra os interesses da população, desde sempre sangrada para servir a desígnios alheios e opostos aos seus…O que houve e há é uma minoria dominante, espantosamente eficaz na formulação e manutenção de seu próprio projeto de prosperidade, sempre pronta a esmagar qualquer ameaça de reforma da ordem social vigente”.

Darcy Ribeiro

 

Escrevi mais de uma vez, palavras carregam em si significados, significantes, ideias, ideologias, história e cultura.

Nada em sociedade é neutro.

Tudo sem sociedade é ideológico, histórico e cultural.

Até as emoções que você sente!

Vendo debate para prefeito do Rio de Janeiro, salva algumas exceções, é um circo de horrores. Um deles me saiu com a seguinte sentença: “Sou a favor da escola sem partido, sem ideologia. Escola é para saber e aprender a ser”!

 Bonita a segunda parte da frase. Usou até mesmo Brizola e Darcy e o projeto educacional dos CIEPs para falar do ensino integral. Falar sobre o projeto, que certamente mudaria a face do Rio de Janeiro em termos educacionais e sociais, é fácil. Difícil é ter vontade para fazer. A primeira frase do candidato já mostra o porquê.

Não existe neutralidade nas instituições sociais: escola, família, igreja, entidades governamentais, todas elas são reflexões das ideologias, da história e da cultura da sociedade brasileira.

Valem então as perguntas:

Saber e aprender a ser, o que e quem?

Saber é o mesmo que conhecer?

Saber gera que tipo de ser?

Conhecer gera que tipo de ser? (Gente! Acho que isso é filosofia!).

Um exemplo, eu sei que existe racismo no Brasil. Eu e todo o conjunto da sociedade sabe que existe racismo no Brasil. Mas, conhecer o racismo do/no Brasil é diferente. Conhecer sua origem, suas representações, seu malefício social, vai gerar em mim questionamentos, reflexões e posicionamento, então conhecer o racismo me faz um ser pensante sobre um fato, e crítico, com possibilidades de transformar o meio em que vivo.

Quando o candidato a prefeito fez essa “fala”, disse o que por trás de palavras bonitas, qual seu verdadeiro pensamento de sociedade.

Por isso escola tem que ser lugar de conhecer, refletir e criticamente tomar posição. Conhecer implica ser pensante, autônomo, formador de opinião, livre em suas escolhas. Quem tem medo de seres pensantes? Desde que o Brasil começou a ser explorado em suas riquezas, os “coronéis” têm medo que se pense por essas bandas “a cá! ”.

Mas, nunca conseguiram conter que conhecimento gerasse seres pensantes absolutamente perigosos para a ordem social. Por isso, a reforma (reflita o que significa reforma) educacional proposta por este governo ilegítimo quer uma escola de saber e aprender a ser.

Sem consultar os diretamente interessados: alunos, professores, pais, especialistas em educação e o conjunto da sociedade, fez uma reforma que foi e agora não é mais!!!

Mas, ilegitimidade e golpismo gera isso: autoritarismo! Vai conversar com o conjunto da sociedade? Como? Se não é reconhecido por ela!

E por que reformar o ensino?

Vocês sabem que os últimos protagonistas de resistência ao autoritarismo de determinados governos estaduais e municipais foram exatamente a “garotada da escola”!

Lembram do professor que chamou uma artista funk de pensadora e criou a maior discussão no país? Ele debatia o que se tornava centro de discussão no país devido a influência da mídia, a turma dele…Filosofia…, já tinham feito várias ações interessantes e não chamavam atenção nem da mídia local. E veio o experimento, uma prova, uma selfie da prova, postou no face e viralizou. A carta de um dos alunos foi de deixar muito pensador pequeno burguês de universidade com vergonha! Isso tudo numa escola pública de uma cidade satélite de Brasília! O que?!

Falar do projeto dos CIEPs e de escola “sem partido”, “sem ideologia” é absurdamente antagônico, porque os CIEPs são escolas ideológica sim!

Do conhecimento democratizado às camadas populares (os CIEPs foram construídos dentro das comunidades carentes), do ensino integral, do olhar ao aluno de forma holística e multiprofissional (pedagógico, psicológico, social, medicinal), das casas casulos com pais sociais para os meninos e meninas em situação de rua, do incentivo à arte, ao conhecimento tecnológico, ao esporte.

Um projeto ousado que a elite brasileira nunca suportou e foi boicotado severamente por ela e seu oráculo à Rede Globo de televisão.

Então, não quero uma reforma. Quero o projeto de Darcy Ribeiro e Brizola que se propôs a CONSTRUIR um novo modelo de educação no Brasil. Desafiante, inovador, a favor das classes populares e acima de tudo REVOLUCIONÁRIO!

“Seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica”.

Paulo Freire

 

 

Candida Maria Ferreira da Silva

Assistente Social, Teóloga, Especialista em infância e violência doméstica pela USP, escritora, poetisa, secretária de defesa de direitos da Mulher Negra da AMT/RJ e militante do movimento negro do PDT.

COMENTÁRIOS