08 NOV 17

Manoel Dias: “Já destruíram a CLT e agora desejam aniquilar a Previdência”

Em Belo Horizonte (MG), o secretário-geral do PDT ratificou o saldo positivo da Seguridade Social e criticou Temer

*Por Bruno Ribeiro

Belo Horizonte, 8/11/2017 – O secretário-geral do PDT e presidente da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), Manoel Dias, fez duras críticas ao governo Temer ao analisar os impactos das reformas trabalhista e da Previdência durante o 2º Encontro de Técnicos Agrícolas de Minas Gerais, em Belo Horizonte (MG). “É uma gestão que precisa pagar a conta do golpe. Estão destruindo direitos históricos dos brasileiros. Estamos retrocedendo ao século passado, vide a tentativa de facilitar o trabalho escravo”, afirmou.

Na palestra, que ocorreu na sede da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Minas Gerais (EMATER-MG) e contou com a presença de Ciro Gomes, Dias atacou as modificações aprovadas pelo Congresso Nacional. Segundo o pedetista, “o objetivo é aumentar as injustiças sociais e a precarização da mão de obra no Brasil.

“Chegou ao ponto de permitir a flexibilização indiscriminada, o trabalho intermitente, o pagamento inferior ao salário mínimo, além de outros absurdos, como a permissão da terceirização na atividade-fim, que também foi aprovada recentemente e não busca uma regulamentação sem discussão“, comentou o pedetista, que exaltou sua ideologia trabalhista e o legado de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola em prol do povo.

“A retirada de direitos gerará impactos também na Previdência, pois reduzirá a base de incidência de contribuição, seja do trabalhador, seja do empregador. É um pacote de maldades para destruir benefícios em progressivamente”, completou.

Na passagem como ministro do Trabalho e Emprego durante a gestão de Dilma Rousseff, Dias promoveu a modernização do órgão, a garantia de conquistas da CLT e a valorização das categorias profissionais. “Fico muito satisfeito de ter mediado o processo de independência da categoria dos técnicos agrícolas. Vocês representam uma força que movimenta a economia brasileira a partir da agricultura”, valorizou.

No tema previdenciário, ele ressaltou ainda as manobras para retirar recursos garantidos pela Constituição e que dão a sustentação necessária para a manutenção dos benefícios.

“Só com a Desvinculação das Receitas da União, conhecida por DRU, o governo vai poder retirar da Seguridade Social até 30%. Esse absurdo teve o aval do Congresso, a partir da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 31, de 2016”, relembrou.

Ao ratificar o saldo previdenciário positivo, Dias citou dados reunidos pelo Senado Federal e pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP). “O povo precisa ter acesso à verdade. Em 2015, a receita da Seguridade Social totalizou R$ 694,3 bilhões, já as suas despesas alcançaram R$ 683,1 bilhões. Sobraram R$ 11 bilhões. Como ela dá prejuízo?, indagou Dias, ao ser aplaudido.

Galeria de fotos

Bruno Ribeiro

Secretário Nacional de Comunicação da FLB-AP.

COMENTÁRIOS