História

 

Nossa história começa muito antes do PDT existir enquanto sigla do Trabalhismo brasileiro. Foi João Marques Belchior Goulart, então Presidente do antigo Partido Trabalhista Brasileiro, que convidou o prestigioso político e intelectual Alberto Pasqualini para organizar um Instituto para estudos Políticos, Econômicos e Sociais. Sua ideia era associar a formação política de quadros, a doutrinação ideológica e o estudo sobre temas relevantes para a sociedade.

 

Extintos os partidos políticos após o golpe civil/militar de 1964, na reorganização dos partidos e com a Anistia ao fim da década de 1970, o Trabalhismo Brasileiro se abriga no Partido Democrático Trabalhista.

 

E é no PDT que surge na década de 1980 o Instituto Alberto Pasqualini, um órgão de colaboração e aprimoramento da política para os militantes pedetistas, responsável pela formulação, execução e avaliação de projetos, estudos e pesquisas na área política, econômica, social, cultural e educacional e na promoção de cursos, seminários e oficinas voltados à formação e capacitação política dos quadros partidários, visando aprofundar o processo de reflexão crítica sobre temas incorporados ou não ao doutrinário trabalhista – socialista. Objetiva, ainda, estabelecer novos métodos e diretrizes de gestão partidária, integrando ações com estados, municípios e com as bancadas no Congresso Nacional. 

 

Em 1997, seguindo a nova legislação, o PDT reformula o IAP, transformando-o em Fundação Alberto Pasqualini (FAP). Nesta nova fase, a FAP lança a publicação “Cadernos Pasqualini” e implanta a “Videoteca da FAP”, com produções e documentários de importantes líderes trabalhistas e socialistas com Francisco Julião, Beatriz Riff, Cibilis Vianna, Bocayuva Cunha, Luis Carlos Prestes, Darcy Ribeiro, Neiva Morerira, Doutel de Andrade, entre outros. Com a estrutura de cursos e seminários realizados nacionalmente, a FAP consolida-se como importante órgão de cooperação e torna-se uma referência junto à militância pedetista de todo Brasil. Já em 2004, com o falecimento do líder e fundador do PDT Leonel Brizola, o partido aprova por unanimidade a incorporação do seu nome à Fundação que ajudou a criar. Assim, passou-se a chamar Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (FLB-AP), mantendo-se as bases de organização e as diretrizes que norteiam sua ação política e partidária. A partir de 2010, com grande investimento em tecnologia e capital humano, o PDT instrumentaliza a FLB-AP na busca por maior interatividade e abrangência em suas atividades. Os cursos de formação e capacitação política oferecidos pela Universidade aberta Leonel Brizola (ULB) – via plataforma de Ensino a Distância (EaD) -, dinamizaram ainda mais a relação partido/militância, possibilitando ao aluno/cursista gerenciar seu próprio aprendizado, desenvolvendo sua autonomia e estimulando sua disciplina.

Aqui você encontrará o Estatuto da nossa instituição na íntegra para ler ou para baixar na versão PDF. Confira as nossas regras de funcionamento e a organização da FLB-AP.

Se você procurava algum conteúdo do site antigo da Fundação Leonel Brizola – Alberto Pasqualini e não encontrou, acesse nosso arquivo contendo tudo o que fora produzido e publicado anteriormente.